Fotografia: os pioneiros

 

Richard Leach Maddox (1816 - 1902)

Como fotógrafo e químico-inventor amador, publicou no British Journal of Photography (1871) as suas experiências com uma emulsão de gelatina e brometo de prata como substituto do colódio húmido de Archer.

Em 1871, Richard Leach Maddox, médico inglês, fixa o brometo de prata em uma suspensão gelatinosa, criando assim o processo de chapas secas.

O processo que substitui o colódio húmido é publicado no British Journal of Photograph, em Setembro.

De início o processo teve a desvantagem de ser mais lento, mas foi aperfeiçoado e criou-se a placa seca de gelatina, com produção industrial.

A partir de então foi possível fotografar o movimento (tempo de exposição: 1/2 segundo) e a construcao das câmaras foi aprimorado: ficam menores, mais leves e mais próximas das pessoas.

Biografia

O médico microscopista e fotógrafo amador inglês nascido em Bath fez as primeiras tentativas de substituição do colódio húmido de Frederick Scott Archer (1813-1857) por placas de gelatina seca, inventando a gelatina de bromureto de prata.

Educado em Somersetshire, decidiu estudar Medicina e entrou na University College, London (1837). Por problemas de saúde deixou a universidade (1839) e deixou a Inglaterra para fazer uma viagem de volta ao mundo.

Voltou aos estudos (1840 e consegui o diploma em Medicina pelo Royal College of Surgeons of London, dois anos depois.

Conseguiu uma licença da Society Apothecaries (1843) e no ano seguinte foi trabalhar no Hôtel de la Charité, em Paris.

Casou-se (1849) com Amelia Ford, em Constatinopla, onde passou a morar (1850). Com Amélia teve um casal de filhos e ficou viúvo já morando em Londres (1871), casando-se novamente (1875) com Agnes Sharp e do novo casamento teve um filho, Walter Vaughan Maddox.

Ainda morou em Londres, Ajaccio, Corrisca, Bordighera, Génova, Gunnersbury e, por fim (1886), passou a residir em Greenbank, Portswood, Southampton. Frequentemente escrevia para revistas científicas da América, França e Inglaterra

Recebeu a Royal Photographic Society's Progress Medal (1901) pelas suas contribuições para o desenvolvimento da indústria fotográfica.

O problema do método de Archer era que as chapas de revelação eram usadas enquanto húmidas, com óbvios inconvenientes operacionais. Esta dificuldade foi resolvida quando o médico inglês inventou as primeiras placas secas com uma emulsão de gelatina e brometo de prata como substituto para o colódio.

No entanto, o processo era 180 vezes mais lento que o do colódio húmido e esta lentidão só foi resolvida quando Richard Kennet, John Burgess e Charles Bennet aperfeiçoaram a gelatina e aceleraram o processo.

Pouco depois (1874) as emulsões passaram a ser lavadas em água corrente, para eliminar sais residuais e preservar as placas e a placa seca de gelatina estabeleceu a era moderna do material fotográfico fabricado comercialmente, liberando o fotógrafo da necessidade de preparar as suas placas.

Na mesma década (1878) quatro fábricas inglesas começaram a vender placas de gelatina seca que, além de conservarem-se por mais tempo, elas permitiam a fotografia instantânea, realizada em frações de segundo.

No ano seguinte, fábricas em França e nos EUA já produziam tais placas em quantidades industriais.

Página actualizada em 4.2013

Topo páginaTopo página

Quer usar este texto em qualquer trabalho jornalístico, universitário ou científico? Escreva um email a Paulo Heitlinger.
copyright by algarvivo.com