Fotografia: os processos

 

Calótipo

Significa em grego ‘impressão (typos) bela (kalos), e foi o nome que Talbot (1800-1870) deu às imagens negativas, ou latentes, que passou a fazer com uma máquina fotográfica. Designa um dos primeiros modos pelos quais a Fotografia evoluiu, pela mão de Talbot, inventor, cientista, botânico e homem de letras.

Este processo foi a base da industrialização da imagem, pois permitiu a sua reproducao, o fabrico de imagens múltiplas iguais (ou muito idênticas).

Calótipo foi o termo inventado pelo inglês William Henry Fox Talbot para designar uma técnica fotográfica específica: a imagem feita a partir de um negativo fotográfico em papel.

Primeiro, Talbot fizera experiências fotográficas com uma técnica que designou por ‘desenho fotogénico’. A ideia surgira-lhe na época em que, durante a sua lua-de-mel, no Verão de 1833, procurava desenhar as belas paisagens junto ao lago de Como, em Itália, sem grande sucesso.

Utilizando uma pequena camera obscura, procurava auxílio para a sua falta de jeito para o desenho, e suspirava com a ideia de o que via reflectido pelo espelho nesse aparelho, pudesse fixar-se por si mesmo no papel...

Desenhos fotogénicos

No regresso a Inglaterra, em 1839, surgiram os photogenic drawings ‘desenhos fotogénicos’, termo para o qual usou o radical grego ‘fós’, que significa ‘luz’, querendo pois significar “desenho feito pela luz”.

William Henry Fox Talbot,
Photogenic drawing of flower specimens, c.1839

Este processo consistia numa imagem feita à luz do sol, por contacto (uma flor sobre uma folha de papel, ou outro pequeno objecto), e surgia em negativo, mas com todos os detalhes do objecto aí representados. (Mais tarde as "provas de contacto" sao feitas de modo semelhante.)

Note que a imagem era feita sem máquina fotográfica, resultando simplesmente da exposição à luz de um papel de desenho sujeito a um banho de sal comum e, posteriormente, de nitrato de prata. Obtinha-se uma imagem em negativo, os objectos apareciam com os tons escuros e claros invertidos.

Com a máquina fotográfica

Calotipo significa impressão (typos) +bela (kalos), e foi o nome que Talbot deu às imagens negativas, ou latentes, que passou a fazer, alguns anos mais tarde, com a máquina fotográfica.

As máquinas eram grandes, com uma objectiva que permitia que a imagem obtida fosse bem focada e definida. Com um papel banhado em iodeto de prata obtinham-se imagens que logo eram sujeitas a um processo de «inversão».

O aspecto revolucionário deste processo foi o facto de que, a partir de uma única imagem negativa, se podiam obter uma série delas positivas — permitia a sua reprodução. Podia assim enviar a mesma imagem a muitas pessoas diferentes, o que também facilitou a Talbot a divulgação da sua descoberta no meio científico.

Talbot patenteou este processo de realizar fotografias a partir de um primeiro ‘negativo’ em 1841.

Recursos

www.nationalmediamuseum.org.uk/Collection/Photography/

f

Fox Talbot

Joseph Nicéphore Niépce (1765-1833)

Louis Jacques Mandé Daguerre (1789-1851)

Bibliografia

Página actualizada em 4.2013

Imagem de fundo: William Henry Fox Talbot, Lace, Plate XX, First published in The Pencil of Nature, 1844.

Topo páginaTopo página

Quer usar este texto em qualquer trabalho jornalístico, universitário ou científico? Escreva um email a Paulo Heitlinger.
copyright by algarvivo.com