Fotografia: os pioneiros

 

Domingos Alvão (1872—1946)

Domingos do Espírito Santo Alvão (Porto, 1872 – 1946) foi um dos mais importantes fotógrafos portugueses da primeira metade do século XX.

Nascido no no seio de uma família da nova burguesia, Domingos Alvão cedo demonstrou interesse pela fotografia. Conheceu Emílio Biel de quem se tornou aprendiz e, depois de um breve estágio em Madrid, entrou como operador para o estabelecimento do capitalista Leopoldo Cyrne.

Dirigiu, no final do século XIX, a Escola Practica de Photographia do Photo-Velo Club no n.º 120 da Rua de Santa Catarina, no Porto. Foi neste local que, em 1903, veio a funcionar a empresa Fotografia Alvão que, em 1926, deu lugar à firma Alvão e Cia. Lda.

Apreciado por fazer a simbiose entre um quadro pintado e um documento «etnográfico», Alvão foi galardoado com vários prémios entre 1914 e 1936, entre os quais se salienta a medalha de prata na Feira Internacional de Leipzig, em 1914, pela sua participação na representação portuguesa.

Nas suas imagens utiliza tanto o grande plano como enquadramentos médios e aproximados, numa abordagem de retratismo/documentarismo muito em voga na época.

Além de ter sido o fotógrafo de grandes empresas e instituições, e do Estado, a sua obra foi vastamente editada em diversas publicações, como a revista Ilustração Portugueza ou a Gazeta das Aldeias.

Instituto do Vinho do Porto

Em 1933 o Instituto do Vinho do Porto solicita os serviços da Casa Alvão para o levantamento geral do território do Douro, trabalhos relativos à produção, transporte, engarrafamento e exportação do Vinho do Porto.

A Casa Alvão realiza ainda outras encomendas de grandes empresas, como a Empresa Fabril do Norte, e a Empresa Industrial de Santo Tirso, Azevedo Soares e C.ª, bem como encomendas de Câmaras Municipais, Centrais Eléctricas, Hospitais, o Instituto Nacional do Trabalho e Previdência, etc.

Em 1934 a Casa Alvão recebe o levantamento fotográfico da 1.ª Exposição Colonial, realizada no Palácio de Cristal, no Porto, na qual tinha um stand na Avenida das Tílias, temporariamente chamada Avenida da Índia. Recebe então o Diploma de Cooperação, atribuído pelo ministro das Colónias, Armindo Monteiro e Henrique Galvão, comissário da exposição.

Em 5 de Outubro de 1935 Domingos Alvão recebe a comenda de Cavaleiro da Ordem Militar de Cristo, condecoração essa que passa a usar nas fotografias identitárias. No mesmo ano, a Casa Alvão conquista a medalha de ouro do III Salón de Fotografia Artística de Málaga, promovida pela Associación Libré de Artistas, com a fotografia Imagem de S. Francisco.

Em 1936 ganha idêntica medalha no certame de Málaga, com a imagem Sentinela Adormecida. No mesmo ano, concorre à Exposição Nacional e Concurso de Fotografias, iniciativa d'O Século, onde ganha o 1º prémio com a imagem Paisagem da Lousã, o 2º com Convento dos Jerónimos, e ainda uma menção honrosa pelo conjunto de imagens. Em 1937, o seu sócio Álvaro Cardoso de Azevedo torna-se o único proprietário da Casa Alvão e Companhia, assim permanecendo até 1967. A Casa Alvão ainda se mantém a funcionar no mesmo local.

De todo um vasto trabalho tem destaque especial a obra Portugal, editada em 1934.

No ano seguinte, recebeu do governo fascista a comenda de Cavaleiro da Ordem Militar de Cristo.

Álbuns

AGUIAR, Fernando Bianchi de; DIAS, Jorge Manuel (coordenadores). ALVÃO, Domingos (fotografias). Alto Douro vinhateiro: património mundial: paisagem cultural, evolutiva e viva. Porto: Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte, 2006.

ALVÃO, Domingos (fotografias). A cidade do Porto na obra do fotógrafo Alvão 1872-1946. Porto: Fotografia Alvão, 1984.

ALVÃO, Domingos; BIEL, Emílio; OLIVEIRA, Guedes de; anónimos (fotografias). O vinho do Porto. Porto : Imagolucis, Fotogaleria, 1992. ALVÃO, Domingos. Fotografia Alvão: clichés do Porto 1902-2002. Porto: Fotografia Alvão, 2002.

BARRETO, António (texto). BIEL, Emílio; ALVÃO, Domingos; ABREU, Maurício (fotografias). Douro. Lisboa: Inapa, 1993.

CLETO, Joel (texto). ALVÃO, Domingos; BIEL, Emílio (fotografias). ALVES, Armando (direcção gráfica). Porto de Leixões. Leça de Palmeira: Administração dos Portos do Douro e Leixões, 1998

SERÉN, Maria do Carmo (texto). A porta do meio, a exposição colonial de 1934: fotografias da Casa Alvão. Porto: Centro Português de Fotografia e Lisboa: Ministério da Cultura, 2001.

Foto-reportagem na revista Ilustração Portugueza, No. 491, 10 de Maio de 1915, sobre a Exposição de Panamá, S. Francisco, EUA, em que participou Domingos Alvão.

William Henry Fox Talbot (1800-1877)

Joseph Nicéphore Niépce (1765-1833)

Louis Jacques Mandé Daguerre (1789-1851)

Bibliografia

Página actualizada em 3.2013

Topo páginaTopo página

Quer usar este texto em qualquer trabalho jornalístico, universitário ou científico? Escreva um email a Paulo Heitlinger.
copyright by algarvivo.com